quinta-feira, 19 de julho de 2012

Mateus Prado fala sobre a greve - muito bom

   Vai abaixo o ótimo artigo de Mateus Prado, que catei no IG. Cuidado que em vez de usar campi, para plural de campus, ele usa câmpus!


Mateus Prado
Educador analisa o Enem, os vestibulares e o ensino brasileiro

Greve nas federais é resultado da expansão das universidades
Para a ampliação do ensino superior ajudar o País, governo deve priorizar o orçamento para educação
Como entender a greve que paralisou quase a totalidade das universidades federais, ficou em segundo plano nas editorias da grande imprensa e só veio fazer, efetivamente, parte da pauta do debate nacional depois que o governo apresentou sua proposta, quase dois meses depois de seu início? 


Proposta aos professores: Governo prevê reajuste de até 45% em até três anos 
Resposta de sindicatos: Proposta não atende às reivindicações; greve deve continuar
Posição do ministro: Mercadante diz que não há margem para melhorar proposta


No governo Fernando Henrique houve greve nas federais praticamente todos os anos. A era Lula foi diferente, com movimentos pontuais, e nenhum movimento colocou em risco um semestre inteiro de milhares de alunos. 

Mas foi durante a gestão de Lula que ocorreu a gestação desta que é a maior greve, em volume de alunos prejudicados, que as federais já passaram em toda sua história. Se a ampliação do orçamento do Ministério da Educação, logo no início do governo Lula, satisfez parte das lutas históricas dos professores, logo esta ampliação foi direcionada para a expansão de vagas no ensino superior.

Passamos de 45 para 59 federais no Brasil. Todas as universidades que já existiam fizeram opção por entrar no Reuni e abriram mais de 120 câmpus em cidades polo de todo o Brasil. 

Ótimo. Mas, com a expansão, que ainda é necessária para incluirmos mais brasileiros no ensino superior público, seria necessário que tivéssemos orçamento ainda maior e uma melhor gestão das instituições. Não foi exatamente o que aconteceu. Na Unifesp Guarulhos falta refeitório. Na UFABC não há laboratório. Na UFRJ falta hospital universitário para os alunos da Medicina de Macaé. Os hospitais universitários de quase todas as federais apresentam processo de sucateamento. Por todo lugar que procuramos é fácil achar, nos novos câmpus, obras inacabadas ou nem iniciadas, equipamentos que não chegam, bibliotecas defasadas.

Ou o governo federal fez a opção de fazer universidade de segunda linha para a inclusão ou a decisão política do governo de expandir o ensino superior não foi consensual em todas as áreas da administração, sobretudo dos mandatários do Planejamento e das Finanças.

Esta expansão incluiu milhares de professores nas universidades e criou conflitos brancos, que não aparecem aos olhos da população acadêmica, mas que amarga os novos professores. Entraram na base da carreira. Hoje, o piso do professor, em início de carreira, para 20 horas semanais, é de cerca de R$ 1.500. Sim, existem salários maiores para professores novos, mas nada perto dos R$ 12.000 divulgados pelo governo, com possibilidade de chegar aos R$ 17.000 em 2015. 

Mesmo com salários menores, estes professores têm que manter aulas da mesma forma que os que estão há mais tempo e com remuneração maior. São eles que estão nos novos câmpus, – aqueles com mais dificuldades –, mais distantes de suas famílias. Dentro da estrutura das universidades que já existiam, em geral é para eles que sobra o trabalho de cumprir uma das metas do Reuni, a de ter 18 alunos por professor nas universidades publicas federais. Naturalmente, a organização acadêmica deixa as maiores dificuldades para quem chega depois. E esta geração de novos professores vê frustrada, por tempo, estrutura e financiamento, suas expectativas de desenvolvimento de pesquisa e de extensão universitária. Aliás, essa é uma das armadilhas da proposta feita pelo governo, que atrela os níveis de carreira, além do tempo de serviço, a aperfeiçoamento, especialização, mestrado e doutorado. 

Mas, já que a proposta aumenta o tempo de aula de cada professor, deixa-os com pouco tempo para essas atividades, sobretudo se precisarem complementar seus salários com outros trabalhos.
Sobre a proposta salarial do governo é claramente notável que o governo mentiu sobre os números. O aumento de 45% não é verdadeiro. Ele só existe para o topo da carreira, lugar em que a maioria dos professores nunca chegará. A média dos aumentos propostos é de pouco menos de 29%, a ser paga, efetiva e integralmente, só em 2015. 

Ora, se o último aumento para os professores foi em junho de 2010 (os 4% deste ano já estão no cálculo do aumento), e a economia continuar da forma que está, teremos uma inflação de pelo menos 5% ao ano. E, com uma simples conta de juros compostos, podemos ver que o aumento real, médio, do professor, será de algo entre 6% e 7%.

Em alguns casos, o salário proposto pelo governo deve baixar. É o caso do professor em início de carreira, que deve passar a ganhar R$ 1.800 em 2015, valor que não cobre a inflação do período. 
A expansão do ensino superior deveria continuar entre as pautas do governo Dilma, pelo bem do País. 

Para cumprir o anúncio que fez em agosto de 2011 – de criar quatro universidades federais, 47 câmpus e 208 institutos federais – o governo tem que tratar educação como prioridade e colocar o Brasil em um caminho sustentado para o desenvolvimento. Prioridade, neste caso, significa também definir prioridades orçamentárias. Se a Dilma vetar os 10% do PIB para a educação previstos no novo Plano Nacional de Educação (PNE), saberemos que a expansão do ensino superior, como a de outros níveis, foi organizada para fazer parte de um número, e não de uma política pública que ajude a tirar o País da miséria.
   

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Notícias do Comando de Greve

26/07/12
A Assembleia de quarta estava mais eriçada. Um clima de revolta contra o Proifes, que resolveu tomar decisão sem consultar a base. E a impressão que ficou da proposta do governo foi que, dando um aumento de salário, a categoria deixaria de lado o problema das condições das faculdades e reestruturação de carreira. Vejam o comunicado do Comando de Greve:
Comunicado aos Professores
 Os professores da Universidade Federal da Bahia continuam em greve. Hoje, dia 25 de julho, às 14:30h, na Faculdade de Arquitetura, ocorre mais uma assembleia dos docentes da Universidade, na qual será discutida, entre outros pontos, a “nova” proposta apresentada pelo governo na reunião de ontem, dia 24 de julho.
 Como reconheceu o próprio preposto do governo, secretário das Relações de Trabalho, Sérgio Mendoça, aquilo que estava na mesa de negociação não se constituia, a rigor, numa nova proposição. Na realidade, o governo fez pequenos ajustes no que havia apresentado na reunião do dia 13 de julho. Esta “nova” proposta manteve o parcelamento do reajuste para março de 2013, março de 2014 e março de 2015, sem mencionar nem considerar a inflação do período; conservou a Retribuição por Titulação (RT) diferenciada entre docentes com mesma titulação e mesmo regime de trabalho; sugeriu a criação de um Grupo de Trabalho (GT) formada pelos reitores das Universidades e Institutos Federais para posterior elaboração de critérios de progressão na carreira, o qual discutiria também os critérios de acesso à classe de professor titular que, pela proposta, passa a integrar a carreira.
A “nova” proposta mantem a desestruturação da carreira, pois concede reajustes distintos para docentes com mesma titulação e mesmo regime de trabalho e não apresenta mecanismo que preserve o poder aquisitivo dos salários durante o período de 2012 a 2015. Em discordância com esta proposta, a síntese dos pontos inegociáveis aprovado em Assembleia anterior, (i) a carreira docente deve conter percentuais fixos para mesma titulação e regime de trabalho; (ii) salário base calculado pelo DIEESE (R$ 2.329, 35); (iii) paridade entre ativos e aposentados e (iv) critérios de progressão definidos nas Instituições Universitárias. Por fim, o governo faz uma “guerra” de números e tabelas, sem apresentar uma proposta de carreira estruturada e coerente com as demandas dos professores.
Crítica ao sindicalismo cupulista e adesista. A “nova” proposta encontrou adesão numa parte diminuta do movimento sindical, ou seja, naquelas lideranças identificadas com o PROIFES, que sistematicamente têm concordado com as posições do governo, constituindo-se, em realidade, uma voz deste na categoria e no movimento sindical.  A conduta do PROIFES de negociar em separado com o governo, sem consultar os professores em assembleia, demonstra uma prática que articula e negocia nas cúpulas, evidenciando uma atitude antidemocrática e autoritária. Por este motivo, o comportamento do PROIFES de dividir os professores, aceitando uma proposta que desestrutura e piora a carreira atual, deve ser denunciado e combatido com veemência.
Finalmente, reiteramos o convite para todos os docentes participarem da Assembleia Geral, no dia 25 de julho, às 14:30h, na Faculdade Arquitetura.
 Comando de Greve dos docentes da UFBA
Salvador, 25 de julho de 2012.
19/07/12
    Fui na assembleia ontem, na Arquitetura. Tinha uns 120 professores, e o clima era agradável. Todos os que se manifestaram foram pela continuidade da greve, e, pelo o que meu ouvido deficiente pode captar, os principais motivos foram:
    (a) O compromisso assumido pelo governo para 2015, quando não se sabe quem estiver no poder.
    (b) A distribuição dos cargos que está pior do que a atual e acentua distorções.
    (c) A total indiferença à questão de melhoria nas condições de ensino. Essa é gravíssima. As faculdades federais estão sucateadas, apesar do esforço e do nível dos professores. O governo não pode ir empurrando isso com a barriga, e temos que aproveitar agora, que temos 57 das 59 universidades em greve, para pressionar forte para que alguma atenção seja dada à educação.
    (d) os aumentos não são reais.
   Minha síndrome da tuba patulosa não me deixou ficar até o final.

Atualize-se no site do Comando de Greve:
   http://comandogrevedocentesufba.blogspot.com/

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Isto também é português:


Catei do julgamento solicitado por Chico a respeito da Apub. Mas não entendi direito do que estavam falando. Quem quiser ver detalhes:http://osaciperere.files.wordpress.com/2012/07/anulado-plebiscito-da-apub.pdf

DO JULGAMENTO EXTRA ET ULTRA PETITA.

A Ré suscita a realização de julgamento extra petita, ao argumento de que não seria possível a decretação de nulidade do plebiscito que culminou na decisão de desfiliação da ANDES – Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior. Alega que o Autor somente questionou o quórum da votação na assembléia, e não da votação no plebiscito, uma vez que este sequer havia sido realizado quando da propositura da ação. Afirma, portanto, não haver causa de pedir nem pedido de declaração de nulidade do plebiscito, bem como que o Autor não poderia antever o resultado do certame. Assim, assevera que a decisão exarada teria sido extra et ultra petita.

Esse Menandro desse blogue aí escreve umas boas:

- Filho da mãe é *adjunto adnominal*, quando a frase for: ''Conheci um político filho da mãe".
- Se a frase for: "O político é um filho da mãe", daí, é *predicativo*.
- Agora, se a frase for: "Esse filho da mãe é um político", é *sujeito*.
- Porém, se o cara aponta uma arma para a testa do político e diz: "Agora nega o roubo, filho da mãe!" - daí é *vocativo*.
- Finalmente, se a frase for: "O ex-ministro, Alfredo Nascimento, aquele filho da mãe, desviou o dinheiro das estradas" daí, é *apôsto*.
Que língua a nossa, não?!
- Agora vem o mais importante para o aprendizado: Se estiver escrito:"Saiu da presidência em janeiro e ainda se acha presidente."  O filho da mãe é *sujeito oculto..*..

Salve o Corinthians


Em homenagem à bela vitória do Corinthians, reposto aqui o sonho que tive no ano passado. Acho que estava prevendo. Outro sonho que postei aqui foi no artigo intitulado "Sonhei com Deus". Pois no dia que encontraram a partícula de Deus, o Corinthians ganhou a Libertadores. Deve ter alguma relação (?)

16/09/11
A loucura dos sonhos

 Tem cada sonho intrigante, sem pé nem cabeça.  Como explicar a criatividade dos sonhos?
  Sonhei esta noite que eu me olhava no espelho, e estava com um corpo saradão. Sem barriga, os músculos  bem na medida. O espelho era alto, e eu ficava pulando para ver melhor a barriga. Aí tinha uma menininha pretinha, de uns 5 anos com vestido vermelho de bolinhas brancas (meus sonhos são sempre technicolor), que aparecia nessa sala. Com duas trancinhas que dão uma volta com um laço de fita em cada uma, ela queria por tudo que eu ligasse pro pai dela.  Dizia que estava tendo um bavi, que era a décima segunda jogada do campeonato, no dia 12, e se o Bahia empatasse com o Vitória de 2 a 2, faria doze pontos.  Eu liguei pro pai dela de um telefone fixo que tinha lá, e ele confirmou com ela que o jogo tinha realmente terminado dois a dois. Saímos para comemorar na rua, e, para minha surpresa, vinha gente de todo canto com roupas brancas, com umas tiras amarelas do lado, que nem frentistas da Petrobrás, cantando: Salve o Coríntians, campeão dos campeões.  Eu cantava junto: Eternamente... Mas às vezes faltava a voz de tanta emoção, de ver aquela gente toda na rua comemorando, cantando afinadinho. 
   Aí chegava numa rua, que era uma rua de Serrinha que sai da casa de Ninfa em direção ao Mercado. Mas a rua estava bem mais estreita do que ela é na verdade. A rua estava toda adornada em ambos os lados com fitas coloridas de papel empenduradas, parecendo os enfeites do festival de Tanabata, no Japão, e por ela vinha um monte de jovenzinhas organizadas e vestidas como para ternos de reisados. Era muito bonito.  Segui pela rua, mas logo foi escasseando o número de pessoas, e cheguei num lago grande e bonito, cercado de árvores e grandes casas japonesas. No meio do lago um peixe de uns 50 centímetros, verde musgo, nadava alegremente, com o dorso todo para fora, mostrando bem a nadadeira dorsal. Fiquei um tempo contemplando admirado, e pensei que deveria voltar pelo mesmo caminho que tinha chegado até lá, para não me perder.  Mas resolvi seguir pela perpendicular, concluindo que com certeza daria em Shiraganê, bairro onde eu morei em Nagoya.  Foi quando acordei. 
   Me admirei de lembrar de tantos detalhes. Contei à minha filha, e ela quis saber o que eu tinha ingerido antes de dormir... Teve até hino do Corínthians para comemorar o empate do jogo Bahia-Vitória!